Criação e tombamento

1954: surge a proposta de criação do Museu da Abolição, elaborada pelo Profº Martiniano Fernandes e encaminhada ao Senado Federal, através do Senador Joaquim Pires, como Projeto de Lei nº 39, de 14.05.1954, em honra aos abolicionistas João Alfredo e Joaquim Nabuco.

1957: o Presidente Juscelino Kubitscheck criou o Museu da Abolição (MAB), por meio da Lei Federal nº 3.357, em homenagem àqueles dois abolicionistas.

1960: A Câmara Municipal do Recife aprovou Projeto de Lei nº 103, que estabeleceu como de utilidade pública a desapropriação do Sobrado Grande da Madalena, com a finalidade de ser ali instalado o Museu da Abolição. A desapropriação foi efetivada através do Decreto Municipal nº 4.514, de 30.12.1961, sancionada pelo prefeito, Miguel Arraes de Alencar, para a instalação do Museu, o qual passou a ser mantido pelo 1º Distrito da Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (DPHAN).

1964: Ocorre a emissão de posse do imóvel.

1966: a relevância cultural do Sobrado Grande da Madalena foi oficialmente reconhecida e o prédio foi tombado pela DPHAN como Patrimônio Nacional, sendo inscrito no Livro Histórico de Tombo (volume 1, folha 63, inscrição 389).